ILUMINAÇÃO EM PISCINAS

De acordo com o conhecimento da maioria das pessoas, a ÁGUA não combina com a ELETRICIDADE. “ELA É UM ÓTIMO CONDUTOR ELÉTRICO”

Portanto onde existe água deve-se evitar que sejam ligados quaisquer Equipamentos Elétricos em sua proximidade ou mesmo junto dela, sob o risco de haver contato físico com fios ou mecanismos elétricos, estando o piso molhado, ocasionando choques às vezes fatais em pessoas e animais.

Portanto todo cuidado deve ser tomado quando se trata de PISCINAS ou Tanques de Água em que seja preciso utilizar algum tipo de Equipamento Elétrico ou Iluminação.

A instalação de iluminação em piscinas deveria ser evitada, mas é quase impossível evitar essa prática, pois ela foi difundida de tal maneira que se tornou habitual e corriqueira, quase uma obrigação, mas também muito perigosa se não forem cumpridos certos requisitos técnicos básicos para esse tipo de iluminação e ornamentação visual.

Atualmente é muito utilizado em Piscinas, iluminação noturna para que seja possível a utilização da mesma para a pratica de natação ou mesmo banhos noturnos em caso de temperatura alta ou simples reuniões de pessoas para diversos tipos de comemorações ao seu redor.

 

ILUMINAÇÃO DAS PISCINAS MAIS ANTIGAS

Anteriormente as novas tecnologias, eram utilizadas para iluminação interior de Piscinas, lâmpadas incandescentes de alta potência em invólucros a prova d’água ou quase, pois acontecia de vazar para o interior desses invólucros a água quando se reenchia a piscina, após serem trocadas as lâmpadas por motivo de queima ou até quando eram limpos seus espelhos externos para melhor iluminação, sem a devida técnica de fechamento correto de seus invólucros.

Piscina-iluminada

Também seus condutores elétricos não eram devidamente isolados e acontecia de ficarem expostos ao tempo, ocasionando curtos circuitos e contatos acidentais pelas pessoas que estavam em sua proximidade, causando choques e assustando todos ao redor.

A instalação desses equipamentos era executada na maioria das vezes por pessoas não habilitadas e sem nenhuma experiência em sistemas elétricos, que desconheciam completamente as normas de segurança e padrões de instalação elétrica.
Também eram utilizados equipamentos não apropriados para tal, sem a devida isolação contra vazamentos ou a degradação das borrachas de vedação, e frágeis quanto a impactos diretos, tais quais pancadas com equipamentos manuais de limpeza e conservação no interior das piscinas.