Evite acidentes com as crianças

acidentes_criancas

O afogamento é a segunda causa de morte de crianças por acidentes e a oitava de hospitalização no Brasil. De acordo a ONG Criança Segura, em 2007, 1.382 crianças com idade entre 0 e 14 anos sofreram afogamento em banheiras, piscinas, rios, entre outros locais que até podem ser muito Evite acidentes com as crianças radáveis para o lazer, mas que oferecem muitos perigos àqueles que ainda não sabem como se proteger no ambiente aquático.

Dentre os acidentes registrados 87 ocorreram em piscinas por queda ou submersão. As crianças também podem se afogar em cisternas, vasos sanitários, baldes e outros. Bastam apenas três dedos de água para uma criança que está começando a andar ficar sob risco de acidente.

 Quem é pai ou mãe sabe que bastam alguns segundos de distração para ter alguma surpresa com a criança. Por exemplo, de acordo com a ONG, na hora do banho do bebê, uma simples desviada de olhar de cerca de 10 segundos para pegar uma toalha já pode representar risco. “Tem uma questão cultural. Muitas vezes, a pessoa acha que não vai acontecer com ela, não tem noção”, explica a coordenadora nacional da ONG, Alessandra Françóia.

zDe acordo com a especialista, um dos equívocos comuns é achar que bóia inflável protege a criança. “A bóia é um brinquedo, não um equipamento de segurança. O único equipamento de segurança é o colete salva vidas”, adverte Alessandra.

Portanto, uma das orientações básicas para evitar o problema é estar sempre atento. É preciso que haja sempre um adulto observando a criança (leia ao abaixo).

Previna afogamentos*:

- Esvazie baldes, banheiras e piscinas infantis depois do uso e guarde-os sempre virados para baixo e longe do alcance das crianças;

- Piscinas devem ser protegidas com cercas de no mínimo 1,5m, que não possam ser escaladas, e portões com cadeados ou trava de segurança, que dificultem o acesso dos pequenos;

- Alarmes e capas de piscina garantem mais proteção, mas não eliminam o risco de acidentes. Esses recursos devem ser usados em conjunto com as cercas e a constante supervisão dos adultos;

- Nunca deixe as crianças, sem vigilância, próximas a pias, vasos sanitários, banheiras, baldes e recipientes com água;

- Evite deixar brinquedos e outros atrativos próximos à piscina e aos reservatórios de água;

- Saiba quais os amigos ou vizinhos têm piscina em casa e quando seu filho for visitá-los, certifique-se de que será supervisionado por um adulto enquanto brinca na água; Boias e outros equipamentos infláveis passam uma falsa segurança. Eles podem estourar ou virar a qualquer momento. O ideal é usar sempre um colete salva-vidas quando próximos a rios, mares, lagos e piscinas;

- Crianças devem aprender a nadar com instrutores qualificados ou em escolas de natação. Se os pais ou responsáveis não sabem nadar, devem aprender também.
* Fonte: ONG Criança Segura